Clipes Gauchos

João de Almeida Neto

Laçador de barro – JOÃO DE ALMEIDA NETO

Laçador de barro – JOÃO DE ALMEIDA NETO

João de Almeida Neto    "O Campo Não Sonha"

João de Almeida Neto "O Campo Não Sonha"

João de Almeida Neto O Campo Não Sonha De: Luiz Coronel / Lênin Nunes.

João de Almeida Neto – Quando uma Mãe se Vai do Rancho

João de Almeida Neto – Quando uma Mãe se Vai do Rancho

Milonga de Três Pátrias – Wilson Paim, João de Almeida Neto, Ernani Appratto.

Milonga de Três Pátrias – Wilson Paim, João de Almeida Neto, Ernani Appratto.

Participação Especial de João de Almeida Neto e Ernani Appratto. Música de Vilmar Pudell e Wilson Paim. DVD Compondo Caminhos.

Vida no Sul: João de Almeida Neto – Milonga fala do século

Vida no Sul: João de Almeida Neto – Milonga fala do século

Apresentação do João de Almeida Neto para o programa Vida no Sul, com a música

João de Almeida Neto – Nova Trilha (Show Ao Vivo DVD)

João de Almeida Neto – Nova Trilha (Show Ao Vivo DVD)

Música 'Nova Trilha' na voz de João de Almeida Neto. Show ao vivo para gravação de DVD.

JOÃO DE ALMEIDA NETO – Vozes Rurais #GalpãoNativo

JOÃO DE ALMEIDA NETO – Vozes Rurais #GalpãoNativo

Da Terra Nasceram Gritos – João de Almeida Neto

Da Terra Nasceram Gritos – João de Almeida Neto

João de Almeida Neto – Musas, Floreios e Poetas

João de Almeida Neto – Musas, Floreios e Poetas

    

IMDB: /10 Votos

João de Almeida Neto - Musas, Floreios e Poetas De vez em quando, em floreios de milongas indomadas evoco noites passadas com a amante que ainda não veio; me entrego a esse devaneio como atravesso um labirinto onde me orienta o que sinto e avanço pelo que creio; eu acredito piamente que viemos de um mesmo parto – o tempo, o espaço, os astros, o peixe, o pássaro, a gente…; um parto sem precedente, nem tardio, nem prematuro, que impôs a luz sobre o escuro e o porvir sobre o presente; confio nos sentimentos dos confins da espécie ...

Vinho das Paixões – João de Almeida Neto

Vinho das Paixões – João de Almeida Neto

    

IMDB: /10 Votos

Quando disfarço essa inércia de tear em movimento afino os fios da tua roupa a poesia desce versos em nós dois para depois virar milonga em tua boca o tempo vaza nas areias da lembrança pulsando acordes de esporas no silêncio em cada pêndulo que dita a hora grave quando o amor partido ao meio perde o senso quando eu bebo deste vinho das paixões e me embriago pelo som dos teus cristais em cada espelho eu me vejo menos velho e em cada palco a vida sonha um pouco mais em ...




Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 1.932 outros assinantes