Clipes Gauchos

Luiz Marenco – Funeral de Coxilha

Luiz Marenco

IMDB: /10 Votos

Reportar erro

Luiz Marenco – Funeral de Coxilha

Repousa o corpo tranqüilo
no funeral da coxilha
terra bordada em flechilha
é o catre de quem retorna
a tarde em comprida forma
das guanxumas e alecrins
não há tristezas nem fins
na morte que o campo adorna

Não há tristeza no pio
da perdiz siscando a vida
não há fim quando a partida
vai se tornando chegada
quem foi de campo e de estrada
não quer melhor companhia
que o largo das sesmarias
ao luxo de uma invernada

Morreu num final de tarde
entre pasto rebrotado
quando uma ponta de gado
buscava a paz de algum capão
A noite acende um clarão
prendendo velas miúdas
em dois olhos de coruja
no castiçal de um moirão

E o campo todo recebe
corpo e alma em funeral
se tornará cinza e sal
fundida com terra e água
e o choro da madrugada
que entre seus pêlos entranha
da brilho a teia da aranha
na macega, deu pousada

Por isso que minha gente
jamais enterra um cavalo
o campo sabe cuidá-lo
quando pra nós tudo encerra
a natureza não erra
ressucita na coxilha
nas flores da maçanilha
graça e força sobre a terra

Luiz Marenco – Funeral de Coxilha

No links available
No downloads available

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *










Você poderá gostar

%d blogueiros gostam disto: