Clipes Gauchos

Poesia Gaúcha: Rodrigo Medeiros declamando “Paisano”

Poesia GaúchaRodrigo MedeirosTODAS

IMDB: /10 Votos

Reportar erro

Paisano – Poesia Gaúcha

Um dia chegou de longe,
nunca se soube de donde…
Chapéu quebrado na testa
e um lenço preto ao pescoço,
negro como pensamento
de uma china despeitada.
E, afinal, ficou de peão
da estância de “Seu” Quirino.

Primeiro que levantava
ao canto do quero-quero,
pra impessar a lida do dia.
E quando lhe davam um alce,
passava grozeando os cascos
de um rozilito cinzento;
pingo que era um pensamento,
segundo seu comentário.

Ninguém sabia seu nome;
talvez, nem mesmo o patrão.
Mas, quando de noitezita
a indiada puxava um banco
em derredor do fogão,
lá, sobe um canto, solito,
um pinho entrava de manso
cantando coisas bonitas,
que faz a gente pensar.

E, finalmente, a peonada
se acostumou com o estranho.
Pra todo mundo da estância
era o paisano, no más!
Talvez por seu mutismo,
despertava nas mulheres
caprichos de coração.

Porém, muito maneiroso,
fazia sempre segredo,
quando, por necessidade,
precisava do carinho
de alguma china qualquer.
Depois voltava solito,
ao trote do seu rosilho,
levando para os pelegos
mais uma história de amor.

E, finalmente, aos pouquitos,
por ser pronto servidor,
foi conquistando a amizade,
desde a peonada ao patrão.
E foi num final de tarde,
que alguém entrou no galpão.
E disse, pros que mateavam,
que uma patrulha do povo
buscava um sorro qualquer.

O que se ouviu, de repente,
foi uma voz que, de um canto,
falou por primeira vez
dizendo, apenas: tô aqui!
Foi como se lá do céu
um trovão se desgrudasse,
pregudiando temporal.

Logo o galpão foi sitiado,
pela patrulha do povo.
E até parece mentira,
que um indiozito tão quieto
pudesse ser tão ligeiro
na hora do ferro branco.
Quando cessou o reboliço,
os gritos do entreveiro,
jaziam lá, no terreiro,
três índios ensanguentados.

E ao longe, na polvadeira,
o rosilito cinzento,
de cascos bem aparados,
debandava proutros Nortes;
talvez, para a banda Oriental.
Levava, apenas, no lombo
um guapo e quieto paisano,
que um dia chegou de longe,
nunca se soube de donde.

Poesia Gaúcha: Rodrigo Medeiros declamando “Paisano”

No links available
No downloads available

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gêneros

Ano de Lançamento

Você poderá gostar

%d blogueiros gostam disto: